sexta-feira, 11 de novembro de 2016

O IMPÉRIO MUDA DE COR... DE REPENTE?

“Para que todas as terras conheçam que a mão do SENHOR é forte...” (Js. 4:24)

Era noite, dia 8 de novembro de 2016. Esperança e expectativa enchem o salão oval da Casa Branca... o coração do mundo está agitado! Presidente Obama, general do exército democrata, acompanha a apuração voto a voto. Não importa a hora. Quem quer dormir e perder a festa?   O banquete está preparado e a lista de convidados selecionada. A noite vai ser curta para celebrar a vitória. Como tudo se faz naquele poderoso salão, nenhum detalhe é pequeno demais para ser ignorado. A bola já está rolando... é esperar o final do segundo tempo, e correr para o abraço...

            Mas, algo inesperado começou a abalar as estruturas do governo. Como diria o velho poeta carioca, no seu belo e triste Soneto de Separação, ‘... de repente, do riso fez o pranto... da calma fez-se o vento... que dos olhos desfez a última chama!..’! E, se me fosse permitido emendar Vinícius (capaz de eu ser preso...), seria assim...
            “[... que dos olhos desfez a última chama]
            E que, nas reviravoltas do inusitado momento,
Derreteu o coração do presidente Obama
           
            Não sou poeta, nem filho de poeta. E se o fosse, que diferença faria? Mas uma coisa eu sou, e sou ‘de cum força’: sou um devotado cristão, que observa o mundo pelas lentes da inspirada, inerrante e infalível Palavra de Deus. Claro que, se houvesse em mim qualquer pretensão de ser um poeta  que merece ser ouvido pelos sábios desse mundo, a minha declaração de fé na Bíblia já me teria desqualificado. ‘Poetas de verdade’ podem crer em Buda, em Maomé, em Allan Kardec, numa árvore, num rio ou numa pedra. Só não crer em Cristo e nas Escrituras. Como minha fé não está à venda, vou rabiscando minhas ‘mal traçadas linhas’, caminhando à luz da Palavra e cantando as glórias do meu Senhor, seguindo a canção que brota de lábios que confessam o Seu nome.

            Mas, poesia à parte, que o resultado da eleição americana foi um  social abalo sísmico, isso foi. Mesmo sem nunca antes o mundo ter tomado conhecimento sequer da existência do senhor Donald Trump, dos quatro cantos do mundo brotavam acusações e impropérios contra o bizarro candidato que deseja fazer a ‘América grande novamente!’ Pelas lentes da Rede Globo, e da maioria da mídia americana e mundial, toda partidária da Hillary e do Obama,  que luta com todas as forças para que se preserve a ‘arte liberal’ que há muito vem sendo produzida pela mente aberta dos artistas democratas, Trump é um monstro pavoroso, insensível, sem coração, que vai destruir os sonhos de liberdade da América e do mundo.

            Obviamente, a inacreditável eleição de Trump, torna as águas turvas para os democratas, que há muito dão as cartas a partir da Casa Branca.   As cores do liberalismo, da diversidade, dos direitos individuais e das chamadas ‘minorias excluídas’ têm sido a tonalidade predominante no firmamento americano. Em anos recentes, parece no céu da América há sempre um arco-íris brilhando. Como Trump não é muito dado às cores fortes, nem exímio apreciador da artes plásticas, o resultado das urnas lançou muito mais do que cinquenta tons de cinza na tela do projeto liberal do partido democrata. Sem dúvida, o céu ficou nublado... Tudo muito de repente.

            Nenhum cristão bíblico pode deixar de se esforçar para entender a surpresa americana à luz das Escrituras. Estamos falando da maior potência mundial, cujo poder repercute nos confins de toda terra. Como disse certa jornalista inglesa, a América é tão poderosa que ‘tememos quando Os Estados Unidos nos observam demais, e tememos quando nos observam de menos.’ Mas, como cremos que o poder pertence ao SENHOR, o Juiz de toda terra, ‘que a um abate, a outro exalta’ (Salmo 75:7), no abatimento democrata e na exaltação republicana tem ‘o dedo de Deus.’  Se o SENHOR, na Sua absoluta soberania dá conta até dos insignificantes pássaros que caem do firmamento, seria razoável pensar que a eleição do presidente ‘do mundo’ estaria fora do Seu controle?

            Não posso entrar em detalhes interpretativos, pois seria uma temeridade, mas  a ‘surpresa americana’ envia uma simples mensagem para todas as nações: “O coração do homem pode fazer planos, mas a resposta certa dos lábios vem do Senhor.” (Provérbios 16.1). Claro que o mundo, na sua crença ateísta, jamais vai admitir que o Rei das nações frustrou os desígnios de muitos. Mas, para nós que conhecemos as Escrituras, embora sejamos desconhecidos do mundo, a eleição de Trump traz alento e renova nossa esperança. Não que possamos ter grandes expectativas no novo presidente americano. Aliás, do pouco que sabemos, já temos muitos motivos pelos quais nós, cristãos, devemos ficar com os dois pés atrás. Nossa esperança está em Deus, que continua no Seu trono, ‘movendo reis e estabelecendo reis.’ Um raio de alento surge quando observamos que, embora os homens tenham seus esquemas e certezas, o plano de Deus prevalece, seja na superpotência americana, seja na Europa, seja no Brasil, seja nas nossas vidas.

            Vendo as cores mudando na terra do Tio Sam (será que a Casa Branca ainda será ‘branca?’), devemos ficar de olhos bem abertos, e ampliar nosso campo de observação para outros horizontes. Ainda tem muita água para rolar. Mas, o fato é que surpresas estão se espalhando pelo mundo. No Brasil, ‘os intocáveis’  estão atrás das grades; na Venezuela, já ouvimos rumores de que o impeachment do Maduro começa a ser organizado. Preparemo-nos. Quando o SENHOR resolver mexer as pedras do xadrez do poder mundial, liberdade pode ser transformar em prisão, o verde pode se fazer maduro e o ‘maduro’ pode ficar passado. Pode ser que não fique ‘pedra sobre pedra’, mas uma coisa nunca vai mudar ...
O Senhor reina para sempre; o teu Deus, ó Sião, reina de geração em geração. Aleluia!” (Salmo 146.10)

Deus abençoe a América! Deus abençoe o Brasil!

A serviço do Mestre,

Pr. Jenuan Lira

sexta-feira, 28 de outubro de 2016

DEUS OU SATANÁS?

“... pois, nele, foram criadas todas as coisas, nos céus e sobre a terra, as visíveis e as invisíveis, sejam tronos, sejam soberanias, quer principados, quer potestades. Tudo foi criado por meio dele e para ele.” (Colossenses 1.16)

Resultado de imagem para pessoa pensando            Perto do final do seu reinado, Davi, o famoso rei de Israel, determinou que se levantasse um censo da nação. A história está cercada com fatos curiosos, a começar pela  reação imediata de reprovação de Joabe, o capitão do exército. Mas, o que é mais curioso é que, quando os dois relatos são comparados, escritos em II Samuel 24 e I Crônicas 21. No primeiro caso, lemos que Deus ‘incitou’ Davi a levantar o censo. No segundo, o texto diz que Satanás ‘incitou’ o rei.

            Casos assim não devem ser ignorados. O leitor consciente não deixa ‘prá lá.’ O verdadeiro cristão não se esconde dos paradoxos da Escritura. Nem tudo será explicado em mínimos detalhes. Essa não é uma exigência razoável. Mas, muito do que parece contradição se resolve com um exame mais acurado da teologia bíblica. O ensino da Bíblia é a melhor fonte para os enigmas da própria Bíblia. O problema é que os crentes não estudam a Bíblia, e os descrentes só conhecem o suficiente para ser perigoso.

            Quanto à existência do mundo espiritual do mal, povoado por Satanás e seus agentes não resta nenhuma dúvida. Além de reais, Satanás e seus anjos agem no mundo visível, inclusive no coração dos homens. 

            Há uma tendência de atribuirmos imediatamente a Satanás as coisas desagradáveis que nos atingem. Mas, é necessário lembrar que as possibilidades de interação entre o mundo visível e o invisível são muitas. Nem tudo que torna nossa vida difícil pode ser lançado na conta do Diabo. A lei da sementeira e colheita funciona sempre. Uma pessoa de vida sexual desregrada, que se envolve irresponsavelmente com vários parceiros, não pode dizer que Satanás é culpado, caso se contamine com o vírus da aids. Além disso, um grave problema pode muito bem ser uma provação, que nem sempre é uma tentação. Pode ser apenas um meio pelo qual Deus chama nossa atenção para o risco de seguirmos nosso coração rebelde.

            Mas, também é possível que Satanás mesmo nos ataque e se interponha no nosso caminho. Ele fez isso com o apóstolo Paulo, mais de uma vez (1 Ts 2:18). Houve também o famoso e inesquecível caso do espinho na carne, ‘mensageiro de Satanás’, que também afligiu o apóstolo aos gentios (2 Co 12:7). Nesse caso, o próprio Paulo reconhecia que o sofrimento infligido pelo agente maligno lhe ajuda a reconhecer sua dependência de Deus. Mas, sem dúvida, o mais famoso caso de interferência diabólica na vida de um servo de Deus aconteceu com Jó. No entanto, desde cedo somos informados que Satanás só podia agir até onde Deus permitia. Quando Deus encurtava a corda, o ‘leão que ruge’ ficava só rugindo. 



            Então, no caso do censo ordenado por Davi, quem era o agente espiritual por trás das cenas, Deus ou Satanás?  A resposta é ambos. Deus queria corrigir um problema na vida do Seu servo, aparentemente, a soberba estava dominando o coração de Davi. Por isso. O SENHOR decidiu soberanamente usar Satanás como Seu agente. Nesse caso, a história é semelhante a de José e seus irmãos perversos que, deliberadamente, fizeram o que era mal, mas Deus estava controlando tudo, a fim de realizar Seu bom propósito, por meio e apesar da maldade dos homens. O nosso Deus é tão bom e poderoso, que até do mal pode tirar o bem, fazendo-nos colher frutos doces de uma raiz amarga.

            A despeito das dificuldades naturais, que surgem quando tentamos perscrutar o mundo espiritual, o fato é que, até o mal produzido pelo Diabo, terminará tornando ainda mais brilhante a glória do SENHOR. Não somos dualistas. O bem e o mal não subsistem em eterna luta, cada um tendo sua chance de glória. De modo algum! Deus é soberano sobre Satanás, que não pode ir além do que lhe é permitido pelo nosso Pai Celeste. Por que o SENHOR permite certas ‘liberdades’ ao inimigo, nem sempre saberemos. Mas essa não é a nossa parte. Descansar na soberania de Deus é parte da nossa vida de fé. Tal certeza  deve acalmar nosso coração. Além disso, deve gerar cuidado com o que pensamos e falamos  diante das circunstâncias desagradáveis da vida.  Na dúvida, é melhor colocar a mão na boca e esperar um pouco mais. O relógio do mundo espiritual é diferente do nosso.

Com isso resolvemos todas as questões? Absolutamente. Mas, não foi esse meu propósito. Seria tolice e tolo atrevimento se assim pensasse. Quem sou eu para penetrar no conselho do Altíssimo? Não fui chamado para explicar os mistérios de Deus, mas para crer no Deus de mistérios. Portanto, segundo a revelação da Palavra inspirada, uma coisa é certa: minha vida não está nas mãos de Satanás, nem dependo da sorte. Meu Deus decidiu me amar e conduzir minha vida até o último dia em que estiver nesse mundo. E depois? Melhor ainda: para sempre com o SENHOR. E quando chegar esse momento... “Sinto muito Satanás, mas você terá perdido todo acesso à minha vida... sua derrota será completa, minha vitória será eterna.”  Então, saberemos explicar todos os mistérios espirituais? Acho que não. Mas quem vai atrás disso? Deus será tudo em todos. Isso será bastante!

A serviço do Mestre,
Pr. Jenuan Lira.




sexta-feira, 30 de setembro de 2016

ABALADOS PELA VIOLÊNCIA

E eu, Senhor, que espero? Tu és a minha esperança.” (Salmo 39.7)
           
            Ainda doe nos ouvidos as notícias do assassinato da garotinha Rakelly, por quem oramos ao saber do seu desaparecimento.  À medida que a polícia desvenda os detalhes sórdidos do crime, ficamos todos comovidos e desnorteados. Uma linda garotinha de 8 anos, foi assassinada, abusada e teve seu corpo ocultado em uma cacimba... Como digerir tamanha maldade? Quem pode imaginar a dor dos pais e familiares?

            De cara, esse tipo de crime nos abala ao desvendar o potencial de crueldade que se abriga no coração humano. Que o homem é mal por natureza, contaminado pelo pecado e predisposto à rebelião contra Deus, desde o ventre materno, não é nenhuma novidade. O otimismo de alguns pensadores utópicos e as explicações sociológicas para a barbárie, não acham correspondência no mundo real. Mas, quando mapeamos a natureza humana à luz da antropologia bíblica, temos que admitir, mesmo com profundo desgosto, que esse tipo de crime não está fora de cogitação em nenhuma comunidade de pecadores. Ou seja, é possível em qualquer lugar onde haja seres humanos. Ainda assim, como não pode deixar de ser, ficamos aterrados e indignados, pois nos agride saber que um homem foi capaz de dar vazão a todo seu ímpeto perverso, não refreando seu instinto maligno sequer ante a doçura e inocência de uma criança.

            Também, nos espanta constatar que tais ocorrências são frutos amargos da certeza da impunidade que hoje caracteriza a sociedade. Por causa da maldade do coração humano, que tende a produzir anarquia, caos e crimes, Deus instituiu o governo humano, dando-lhe poder, inclusive, para ser Seu representante em decidir quando é necessário ‘trazer a espada’, aplicando a pena máxima sobre aqueles que cometeram o crime máximo. Paulo é claro e inequívoco ao afirmar, sob inspiração do Espírito Santo, que as autoridades  são ministros de Deus, para recompensar os que fazem o bem, e punir os que fazem o mal, sendo, no segundo caso, autorizado a agir como ‘vingador legal’ do mal que, em muitas ocasiões, precisa ser detido pela espada (Rm. 13:1-7). Paulo afirma que um dos motivos para pagarmos impostos é manter os magistrados, isto é o sistema jurídico, a fim de que possam desempenhar seu ‘ministério.’
   
            A certeza da impunidade não apenas estimula o crime, mas cria o ambiente para mais confusão na hora de punir o crime. Conforme os jornais tem mostrado, a casa do criminoso foi destruída pela população. Com certeza o próprio criminoso teria sido morto, caso tivessem colocado as mãos nele. Como não há justiça legal, muitos se sentem justificados em praticar ‘justiça ilegal.’ Esse é mais um sinal espantoso de que caminhamos para o caos. A justiça feita pela população é um ato gerado pela comoção relacionada ao tipo de delito, normalmente efetivada de maneira desordenada, por pessoas despreparadas para conter o mal e promover o bem social. Tudo é feito ao sabor da emoção, que, em outros momentos, pode ser despertada indevidamente e contra as pessoas erradas. Por exemplo, imagine a situação em que, por causa da manipulação popular de um político corrupto, companheiros de crimes conseguem mover uma turba insana contra os magistrados que o colocaram na cadeia. Seria, verdadeiramente, fazer ‘injustiça com as próprias mãos!’ Impossível? Sérgio Moro e outros magistrados da Lava Jato que o digam!

             Mas, tem outra coisa que me espanta: a propaganda do crime pela mídia. Em um mundo de seres predispostos ao mal, a cobertura exibicionista, ao vivo e à cores, nunca trará bom resultado. Sem querer ser anacrônico, pois não havia televisão na época do profeta Isaías, creio que faríamos bem em observar o seguinte versículo, no qual o profeta descreve o tipo de pessoa que desfrutará as bênçãos eternas:  “O que anda em justiça e fala o que é reto; o que despreza o ganho de opressão; o que, com um gesto de mãos, recusa aceitar suborno; o que tapa os ouvidos, para não ouvir falar de homicídios, e fecha os olhos, para não ver o mal,” (Isaías 33.15). A divulgação do mal desperta o prazer mórbido de muitos, simplesmente pela curiosidade degenerada de conhecer o mal. Isso é muito sério. Foi o desejo pelo conhecimento do ‘bem e do mal’ que fez Eva morder a isca da Serpente. Que conheçam os detalhes aqueles que são competentes para julgar o crime. O resto de nós pode não saber o que fazer com as informações. Ou, pior ainda, alguns podem querer duplicar o que ouviram!

            Casos assim me trazem à memória a situação de Ló, o servo de Deus que se achou vivendo em Sodoma e Gomorra, o qual era “... afligido pelo procedimento libertino daqueles insubordinados” (2 Pedro 2.7). Infelizmente, à medida que os dias avançam, as aflições causadas pela libertinagem dos insubordinados só tende a avançar. Por isso, nossa esperança só pode estar em Deus. Por isso clamamos:
            “SENHOR, tem misericórdia dos pais da Rakelly,
SENHOR, tem misericórdia de nós!

            A serviço do Mestre,
            Pr. Jenuan Lira.
           




           

sexta-feira, 16 de setembro de 2016

MORTE DO ATOR DA GLOBO: A VIDA IMITA A ARTE?

Como o louco que lança fogo, flechas e morte, assim é o homem que engana a seu próximo e diz: Fiz isso por brincadeira.” (Provérbios 26.18–19)

            A morte súbita do ator global Domingos Montagner comoveu o Brasil. Protagonista aparentemente importante da novela das nove, o ator se afogou no rio, que lhe servia de palco.
            Como minha lembrança novelística mais recente é de 1977, quando acompanhei A Escrava Isaura, que tinha no elenco Rubens de Falco e Lucélia Santos (‘é o novo...!’), não conhecia o ator, nem sua personagem. Mas fui informado sobre algumas curiosas coincidências entre a ficção de Velho Chico e o desfecho triste do último capítulo da vida do ator. Segundo consta, houve uma cena na qual Santo, personagem de Domingos Montagner, desaparece no rio, sendo dado como morto, muito semelhante ao que ocorreu na última quinta-feira. A diferença é que na ficção, ele foi salvo, mas na realidade a cena não teve um final feliz.
            Em casos assim,  surge a pergunta: a vida imita a arte? Seria a arte uma precursora da realidade, capaz de antecipar o destino das pessoas, especialmente em ‘episódios’ trágicos? A resposta simples é não! A arte não tem domínio sobre a vida de ninguém. O roteirista de uma novela não é Deus, portanto não pode determinar o capítulo final da vida de um ator. É fato que alguns produtores de arte apresentam-se como se fossem Deus, mas não são. Fiquemos tranquilos! A história está nas mãos de Autor da vida, não nas mãos dos autores das novelas.
            Por outro lado, por acreditar que Deus tem controle soberano sobre a vida de todas as pessoas, que o SENHOR controla até a queda de um insignificante pardal, não vejo espaço na verdadeira concepção cristã para acasos ou coincidências. Deus pode ter permitido e inclinado o roteirista para elaborar uma cena semelhante ao que iria ocorrer? Certamente, sim. Deus pode tudo! Mas, nesse ponto, o melhor que fazemos é ficar no campo da possiblidade, e com uma importante ressalva: ainda que certas ficções pareçam antecipações da realidade, isso não deveria nos fazer obcecados em tentar achar combinações entre o suposto côncavo da arte e o convexo da realidade. Caso contrário, em pouco tempo estaremos lendo literatura como quem lê horóscopo, que, aliás, é mais um esforço banal e profano de tentar antecipar e determinar o destino humano.
            Deixando de lado o Velho Chico, acerca do qual apenas li notas sobre a influência mística e as ‘práticas’ de magia negra na trama, o fato é que o mundo da arte, notadamente o da arte moderna, vive em animosidade com o Criador. Já faz algum tempo que artistas de renome se acham abaixo da chamada ‘linha do desespero’, como tão magistralmente declarou Francis Schaeffer. O que isso significa? É uma longa história, mas resumindo em poucas (será que consigo??), o que aconteceu foi que o homem moderno, resolveu se declarar independente de Deus. Algo à semelhança de Faraó dizendo a Moisés... ‘Quem é o SENHOR para que o tema?’. Mais recentemente o raciocínio era que Deus não tinha espaço no mundo onde da avançada ‘moderna ciência moderna.’  Contudo, apesar do avanço da ciência, o homem continuava o mesmo, e sendo ainda pior do que antes das incríveis descobertas científicas. Ao reconhecer essa triste realidade, os homens ficaram sem chão. Tinham pulado do barco do Criador, somente para descobrir que não iam atingir a margem, e a correnteza ia ficando cada vez mais forte. Se tivessem humildade, teriam pedido ajuda ao Salvador, mas preferiam continuar nadando, cansando e se afogando. Com sua sensibilidade, os artistas logo perceberam o problema. Mas não quiseram retornar à Fonte. Escolheram fazer de conta que eram Deus, caíram no desespero e até hoje continuam assim.
            Em meio a toda essa rebelião, vez por outra ficamos chocados com a ‘coragem’ de certos artistas. Muitas vezes brincam com a realidade do mundo espiritual, achando que não há nada do outro lado. Abrem suas bocas contra os céus e tentam fazer um jogo de faz-de-conta com as forças espirituais do mal. As histórias se repetem sobre fenômenos estanhos nos sets de gravação e na vida de atores de filmes diabólicos como o Exorcista, o Bebê de Rosemary, etc. Não posso dizer nada acerca da atual ficção global, embora não me surpreenderia se fossem reveladas coisas estranhas nos bastidores da novela. Sabemos que a Globo zomba de Deus e do Seu Filho, Jesus Cristo, sem a menor cerimônia. As verdades cristãs são sempre alvo de chacota, enquanto as doutrinas místicas e diabólicas são propagadas com fervor, respeito e paixão.
            Minha impressão é que o mundo virtual da arte, da tecnologia e do coração duro e contaminado dos homens está levando a humanidade a um ponto tal de delírio, que não se consegue mais separar a ‘realidade virtual’ da ‘realidade real.’ Das minhas observações no livro de Apocalipse, parece-me que essa tendência faz parte das estratégias malignas para dominar o mundo nos últimos dias. 
Há um mundo de obscuridade quando procuramos encontrar um ponto de intercessão entre a arte e a vida. Mas de uma coisa podemos ter certeza: de Deus não se zomba, nem que seja ‘de brincadeira’.

A serviço do Mestre,

Pr. Jenuan Lira

sexta-feira, 1 de julho de 2016

AS CELEBRIDADES DE BABEL

Disseram: Vinde, edifiquemos para nós uma cidade e uma torre cujo tope chegue até aos céus e tornemos célebre o nosso nome, para que não sejamos espalhados por toda a terra.” (Gênesis 11.4)

            A dispersão dos povos em Babel não foi gratuita. Ali tem muito mais do que parece à primeira vista. Babel foi a primeira manifestação organizada e coletiva de humanismo. A idéia de construir uma cidade e uma torre foi uma forma de evitar que ‘sejamos espalhados.’ Tal plano era o oposto do que Deus havia determinado. Desde o princípio a vontade de Deus era que o homem crescesse, multiplicasse e enchesse a terra. Babel também era um monumento à autonomia humana. Por meio daquela torre-templo, os homens queriam desafiar o projeto divino e fazer história. Uma frase resume bem as motivações dos corações envolvidos naquele projeto: “Tornemos célebre o nosso nome.”

            Desde o Éden, os homem sonham em ter seus nomes na calçada da fama. Figurar no rol das celebridades é o desejo do nosso coração egoísta. Os meios podem ser variados, mas no final o propósito é o mesmo: fazer o nosso nome célebre.

            É interessante fazer um paralelo entre Babel e os nossos dias. Se repararmos bem, os homens estão tentando reverter o processo de dispersão determinado por Deus. Com a internet, google tradutor (que às vezes está mais para ‘traidor’) e outras novidades virtuais, todo mundo pode falar com todo mundo. É certo que para tentar desfazer o que Deus fez em um instante, o homem precisou trabalhar alguns milênios, mas agora começa a colher os frutos. Portanto, se estamos chegando ao ponto ‘pré-Babel’, está novamente aberta a temporada para quem deseja fazer grande o seu nome.

            Ao pé da Babel virtual, ninguém é comum. Basta poucos momentos passeando no facebook, e, logo, notaremos que à nossa volta já não mais existem meros mortais. No face, instagram e em outros territórios virtuais, cada um pode ter sua calçada da fama particular. Até um espirro é motivo para uma selfie. Seria mais ou menos assim... “Gente espirrei. Foi demais... depois posto um vídeo sobre como dar o melhor espirro do mundo... tipo assim... blz ” Um mundo de tecnologia, para um mar de bobagem!

Na era das celebridades, até os atos mais comuns, rotineiros e de nenhuma importância para os outros, precisa ser anunciado ao mundo. No facebook, por exemplo, tudo é o máximo: eu tenho os melhores amigos, faço as mais incríveis viagens, frequento os ambientes mais badalados, como nos melhores restaurantes, tenho a família perfeita. Verdade? Nem tanto. Há muito de propaganda enganosa, tudo de mentirinha, mas o importante é aparecer. Pelo menos no mundo de faz de conta, posso me sentir um rei.

            Olhando com cuidado, parece que a frustração de Babel continua atravessada na garganta da humanidade. Deus interferiu no sonho dos homens, que não gostaram dessa intervenção divina. Seguindo o projeto dos arquitetos de Babel, o homem poderia vencer sua últimas fronteiras, chegando ao céu sem Deus. Seria um feito heróico, que tornaria aqueles homens em ‘super-homens.’ Se o plano tivesse sido executado, no museu de Babel certamente teria um placa na entrada: “Você está entrando no monumento que prova que os homens não dependem de Deus. Por meio desse edifício, os homens invadiram o céu e saquearam a glória do Criador.”
 
            O espírito de Babel não tem nada a ver com o Espírito de Deus. Por favor, não esqueça isso! Enquanto o espírito de Babel diz que devemos continuar fazendo monumentos de marketing pessoal, que tornem célebres o nosso nome, o Espírito de Deus nos constrange a declarar: “Convém que Ele cresça, e eu diminua.” Essas são as palavras e as imagens que brotam nas postagens dos que entendem que a glória pertence somente a Deus. Quando vivemos para tornar o Nome de Cristo adorado em toda terra, dos nossos corações não brotam fantasias, nem temos a soberba como um colar (Sl. 73.6-7).

             No campo semântico da palavra hebraica que traduzimos por ‘glória’ está a idéia de peso. Assim, a glória de Deus é também o ‘peso de Deus’, com a expressão apontando para a excelência, honra e majestade do SENHOR. Gosto de relacionar o conceito de glória com o de peso, para nunca ter a ilusão de que sou capaz de suportar a glória. Em um momento pessoal de luta com Deus em favor de Israel, Moisés pediu a Deus para ver a Sua glória. Deus não permitiu que Seu amigo, Moisés, sequer contemplasse Sua glória, pois isso lhe seria fatal. Moisés não suportaria o ‘peso’ de Deus. Por isso o SENHOR lhe disse: “Quando passar a minha glória, eu te porei numa fenda da penha e com a mão te cobrirei, até que eu tenha passado.” (Êxodo 33.22).

Querer a glória é querer ser Deus. Portanto, por menor que seja a parcela de glória que nos toque, ainda é pesada demais para nossa estruturas, que não passa de pó e cinza. Quer ser esmagado? Então, cobice a glória de Deus.  

            O passar do tempo não curou o homem do mal de querer continuar construindo torres e castelos, a fim de serem celebrados. Como foi em Babel, também será com as apresentações modernas da soberba humana. E quando o SENHOR descer para vindicar Sua glória, não vai ficar ‘face’ sobre ‘face’.

Deixemos a glória a Quem de direito: ‘Àquele que está sentado no trono e ao Cordeiro’ (Ap. 5.13).

            A serviço do Mestre,

            Pr. Jenuan Lira. 

sábado, 25 de junho de 2016

O MELHOR DESCANSO

Vinde a mim, todos os que estais cansados e sobrecarregados,
e eu vos aliviarei.” (Mateus 11.28)

            Cheguei em casa por volta das 23:00, depois de um longo dia. A oportunidade de pregar naquela conferência missionária foi um prazer, mas o corpo e a mente estavam cobrando seu preço. Enquanto já me preparava para deitar, não resisti à tentação e resolvi ler os últimos e-mails do dia. Para minha ‘surpresa’, o diretor do mestrado educadamente me fez lembrar de algumas tarefas atrasadas (‘ele nunca esquece...’) e as penalidades previstas para os atrasados. A princípio, vem aquele pensamento perigoso de autocomiseração... ‘Isso não é justo. Ele pensa que eu atraso sem motivo? Será que ele não sabe que tenho muitas responsabilidades?’ Depois, vem a sensatez... ‘estou reclamando de quê...?’ Não tinha o que reclamar. Decidi fazer esse curso por entender tratar-se de uma excelente ferramenta para o ministério. Ninguém me obrigou a tal. Então, só me restava uma opção: sentar até às 2 da manhã, a fim de colocar algumas tarefas em dia. Ainda tinha o que fazer, mas não dava para ir além. Logo cedo deveria estar de pé para recepcionar os pastores que vinham para uma reunião de dia inteiro, sem esquecer que a noite a ‘luta’, isto é a conferência, continuava.

Desde que Adão tornou nosso trabalho árduo, cumprir nossas responsabilidades em meio ao ‘suor do rosto’ é uma condição inescapável. Ou seja, precisamos estar prontos para o e cansaço e aprender logo a lidar com o esse fato da vida de uma maneira bíblica.   

Indo direto ao ponto, minha tese é a saída para o cansaço da vida é Cristo. Sabendo bem o que significa trabalhar duro ‘antes que chegue a noite, quando ninguém pode trabalhar’, o SENHOR Jesus nos chama para o Seu descanso, pois Ele conhece a nossa estrutura e ‘sabe que somos’. É gratificante saber que o nosso SENHOR se preocupa em nos dar descanso integral, quando os fardos da vida estão além das nossas forças. Ele fez isso com Seus discípulos nos dias do Seu ministério terreno: “E ele lhes disse: Vinde repousar um pouco, à parte, num lugar deserto; porque eles não tinham tempo nem para comer, visto serem numerosos os que iam e vinham.” (Marcos 6.31)

Não há dúvidas de que o descanso oferecido por Jesus a pecadores cansados e sobrecarregados, embora se dirija em primeiro lugar ao coração, terá reflexos no corpo. Somos seres integrais, indivisíveis. Um corpo exausto, tende a carregar um coração também exausto, abatido e sem esperança. Mas o inverso é também verdadeiro, afinal,  “O coração alegre aformoseia o rosto...” (Provérbios 15.13). A alma alegre em Cristo, vence o desânimo que pode nascer do cansaço físico.

Correr para o descanso de Cristo é necessário sempre, mas se torna urgentíssimo quando estamos sufocados pelo excesso de trabalho. Trabalhar é uma bênção e um dever bíblico, mas quando, por algum motivo, precisamos trabalhar além do que normalmente somos capazes, colocamo-nos em situação de perigo espiritual. A razão é que, quando estamos fisicamente cansados, o que não é raro nesses dias de vida agitada, ficamos mais susceptíveis ao pecado. Não raro, nesses momentos, nosso coração enganoso nos diz: “Você trabalhou muito. Não seja tão exigente agora. Você merece relaxar um pouco.” Com certeza, não é pecado relaxar um pouco, a fim de refazer as forças. O problema é relaxar demais, descuidar da vigilância espiritual, baixar a guarda quanto aos perigos do pecado. O corpo pode até relaxar, mas a carne, o mundo e o diabo nunca relaxam. Por isso o conselho do apóstolo Paulo é tão propício: “Depois de terdes vencido tudo, permanecer inabaláveis” (Ef. 6.13)

            Um grande benefício de corrermos para Cristo na hora da exaustão física é o refrigério que nos vem por causa da incomparável paz do SENHOR, que guarda nossa ‘mente e coração’ em Cristo Jesus. O cansaço excessivo perturba nossa mente e, não raro, nos traz impaciência, ansiedade, medo e preocupação. Cria-se um situação delicada, pois a mente perturbada aproveita o corpo exausto e nos aprisiona. De repente, estamos num labirinto espiritual, sem perspectiva e sem futuro. Nossos olhos não conseguem enxergar um amanhã diferente e o desespero bate à porta. Um dos efeitos da mente perturbada, por exemplo, é a dificuldade em conciliar o sono. Mesmo quando conseguimos pregar o olho, o sono não é suave. Mas quando descansamos em Cristo, lançando sobre Ele todas as nossas ansiedades, nossa alma se liberta, o sono será sempre revigorante, pois... “Quando te deitares, não temerás; deitar-te-ás, e o teu sono será suave” (Provérbios 3.24)

            Cada vez mais a ciência médica nos ensina que devemos reconhecer a relação entre o corpo e a alma. As doenças psíquicas oriundas das dores emocionais e perturbações do coração ferido, terminam manifestando-se na pele, nos músculos e no sangue. Portanto, se aprendermos a correr para nosso Amigo Perfeito, sentiremos alívio no coração e no corpo...“O olhar de amigo alegra ao coração; as boas-novas fortalecem até os ossos.” (Provérbios 15.30)

            Minha impressão é que as coisas não tendem a melhorar. Vamos continuar correndo e vendo muito suor escorrendo do rosto. A vida nesse mundo caído vai continuar impondo sobre nós longas jornadas de trabalho. Portanto, aprendamos de uma ver por todas a correr para Aquele que nos leva para juntos ‘das águas de descanso.’ O peso da vida poderá curvar o nosso corpo, mas nunca poderá secar o nosso Espírito, pois conhecemos a Fonte de Água viva, onde nos refrescamos e renovamos nossas forças.

            Nada neste mundo pode nos ajudar a vencer completamente o cansaço da vida. Os entretenimentos trazem apenas paliativos, mas nunca serão uma fonte renovável de força e esperança. A descanso está em Cristo, e Ele pode ser encontrado na Sagrada Escritura. Basta não sermos rebeldes, como foi Israel... “Assim diz o Senhor: Ponde-vos à margem no caminho e vede, perguntai pelas veredas antigas, qual é o bom caminho; andai por ele e achareis descanso para a vossa alma; mas eles dizem: Não andaremos.” (Jeremias 6.16)

Como é bom saber que em Cristo posso ter até descanso para o meu corpo. Assim, quem sabe,  conseguirei terminar meu curso!

A serviço de Mestre,


Pr. Jenuan Lira.

quinta-feira, 9 de junho de 2016

NÃO PODEREIS SERVIR AO SENHOR

Então, Josué disse ao povo: Não podereis servir ao Senhor, porquanto é Deus santo, Deus zeloso, que não perdoará a vossa transgressão nem os vossos pecados.” (Josué 24.19)

            A abordagem de Josué pareceu muito estranha. Dizer que o povo não poderia servir ao SENHOR? Como? Logo Josué, o grande líder espiritual do povo, sair com uma proposta dessa...?   

            - ‘Mas vocês não estão entendendo...’, falou Josué com ênfase. – ‘Vocês não podem servir ao SENHOR. Isso não é brincadeira... é muitíssimo sério. Eu e minha casa já temos uma posição. Sabemos bem o que queremos, e vamos pagar o preço, mas vocês...’ concluiu Josué, deixando o suspense como resposta.

              - ‘Mas como não? Por favor, Josué...’, falou um líder do povo, apoiado pelos demais a sua volta - ‘...é isso que queremos...’.

Josué, então, foi mais claro: ‘Gente, não estamos falando de um deus qualquer. A Pessoa com Quem vocês estão querendo se comprometer é o Deus verdadeiro, santo e zeloso. Ele não se deixar escarnecer... Ele é fogo consumidor. Não há meio de servi-lo com coração dividido. É muito mais sério que vocês pensam.

- ‘Tudo bem...’, disse o povo,  ‘estamos entendendo a seriedade do compromisso. Mas é isso que queremos.’

O diálogo acima, baseado em Josué 24, parece uma contradição. Enquanto o Salmista diz ‘servi ao SENHOR’ com alegria, Josué taxativamente declara: “Não podeis servir ao SENHOR.” Ele, mais do que ninguém, deveria estar interessado em que o povo se comprometesse com Deus.  Por que age como se quisesse dissuadir a nação desse intento? 

Na realidade, Josué está usando uma expressão forte para que o povo entenda a grandeza do seu compromisso espiritual.... ‘De Deus não se zomba.’ De todas as lutas em que Josué anteriormente estivera engajado, nenhuma foi tão severa como a luta contra a falsa espiritualidade, pois essa é uma luta da alma. Tinha sido mais fácil  conquistar as fortalezas dos Cananeus, do que vencer a resistência de corações endurecidos (Pv. 18.19).

            Josué, um homem de Deus, notável por sua liderança política e espiritual, tem bastante discernimento espiritual. Por isso, a aparente reação favorável do povo não lhe empolga. Com sua longa experiência, Josué percebe que, novamente, o povo está tratando levianamente seu compromisso espiritual, fazendo um voto precipitado, esquecendo o a verdade ensinada por Salomão ...“Não te precipites com a tua boca, nem o teu coração se apresse a pronunciar palavra alguma diante de Deus; porque Deus está nos céus, e tu, na terra; portanto, sejam poucas as tuas palavras.” (Eclesiastes 5.2) 

            A história de Israel no Antigo Testamento está cheia de compromissos falsos. No momento do perigo, depois de um livramento grandioso ou mediante o apelo de um líder espiritual, o povo tinha a tendência de entrar em aliança com Deus, por pura empolgação. Não levavam em conta os termos do seu compromisso. Reagiam emocionalmente, lidando com Deus irresponsavelmente, como faziam uns com os outros... “Então, disse o profeta: Ouvi, agora, ó casa de Davi: acaso, não vos basta fatigardes os homens, mas ainda fatigais também ao meu Deus?” (Isaías 7.13). Temos a tendência de confundir o Deus santo, com os homens impuros. Tal confusão revela quão pouco conhecemos o SENHOR. Enganamos os homens e a nós próprios, criamos escapes para disfarçar nossa infidelidade e por algum tempo parece que estamos conseguindo, pois nada acontece. Não devemos jamais esquecer o que está escrito no Salmo 50.21: “Tens feito estas coisas, e eu me calei; pensavas que eu era teu igual; mas eu te arguirei e porei tudo à tua vista.
           
Quando o nosso coração não é reto para com Deus, é melhor não fazer de conta que queremos servir ao SENHOR, pois está escrito: “Não vos enganeis: de Deus não se zomba; pois aquilo que o homem semear, isso também ceifará.” (Gálatas 6.7)

 Nesse mundo de pessoas ‘amantes de si mesmo’ muitos querem levar a vida tocando flauta, como diz um antigo ditado popular.  O problema é que, quando estamos falando do relacionamento com Deus, a flauta vai ter mais buraco do que dedo. Com certeza a nota vai sair desafinada.

A serviço do Mestre,


Pr. Jenuan Lira